© 2018 Gustavo Tavares

WHITE LINE SHOTS

Catarina Souto

Em território de água, a frase de Baudelaire aguça-se e insiste em ressoar no nosso olhar, quando percorremos os fotogramas de Gustavo Tavares, aquando de uma viagem irrepetível à Terra do Gelo [Iceland| Islândia], em 2014: “ Na natureza não há linhas nem cores”.


Em território de água, é particularmente complexo o entendimento e decalque do que observa. A água manifesta-se sob diferentes formas: ela é, simultaneamente, gelo, neve e líquido, violência, tempestade e calmaria. A cor esbate-se, uniformiza-se. A linha do horizonte é baça, quase inexistente. A presença humana, marcada apenas por
fascinantes postes eléctricos ou estradas, continua a não ajudar ao exercício da escala e da orientação.


O carácter e força destas fotografias estão, precisamente, na demonstração desta evidência: a de que a Natureza é extraordinariamente mais complexa e fascinante do que a cartografia do nosso olhar humano: o da cor, o das linhas rectas ou curvas, o da interpretação.

In water territory, Baudelaire's phrase is sharpened and insists on resounding in our eyes as we traverse Gustavo Tavares's photographs, during an unrepeatable trip to the Land of Ice [Iceland | Iceland] in 2014: "In nature there are no lines or colors."


In water territory, the understanding and decal of what you observe is particularly complex. Water manifests itself in different forms: it is simultaneously ice, snow and liquid, violence, storm and lull. The color fades, becomes even. The horizon line is dull, almost non-existent. The human presence, marked only by
fascinating electric poles or roads, still does not help the exercise of scale and guidance.


The character and strength of these photographs are precisely in the demonstration of this evidence: that nature is extraordinarily more complex and fascinating than the cartography of our human gaze: that of color, that of straight or curved lines, that of interpretation.

Mostrar Mais