© 2018 Gustavo Tavares

About | Sobre

This is a photography project by Gustavo Tavares, a light, images and photography lover.

Bio:

First Camera: Agfamatic 55C

Actual Camera: Nikon D750 e Iphone 7

Training in Night and Show photography

Co-founder of the Photography Club | Sociedade Recreio Artístico

Exhibitions:

2009 - 2ª Mostra Fotográfica “Economistas Amantes de Fotografia”, Porto

2015 - Evento Fotográfico "Fora da Caixa", Aveiro

Projects:

Photography Blog - http://kostophoto.blogspot.pt/

La Caméra du Flâneur

LA CAMÉRA DU FLÂNEUR

The term flâneur comes from the French and has the meaning of "vagabond", "vadio", "lazy", which in turn comes from the French verb flâner, meaning "to walk."

Charles Baudelaire developed a meaning for flâneur of "a person walking through the city in order to experience it". Due to the duration of the use and theorization by Baudelaire and countless thinkers in economic, cultural, literary and historical terms, the idea of ​​flâneur has accumulated important meaning as a reference to understand urban phenomena and modernity. Walter Benjamin describes the flâneur as a product of modern life and the Industrial Revolution, unprecedented, a parallel with the advent of tourism. Benjamin became his own example, noted the social and aesthetic during long walks through Paris.

The perception of the flanéur seems to be in the face of what is transient in the city, but he does not simply regret transience, he feeds on it, he formulates a kind of shelter in the womb of chaotic urbanity - well understood, chaotic for the citizens, not to the political managers of the new social order - weaving a narrative of the attractions of the city, in a kind of recognition of the erotic appeal of things and people in the context of modern disagreements.

The flanêur initially serves a bourgeois individual need to overlap with the aristocracy and will become an instrument of the masses themselves, due to their prominence in the genre inaugurated by the city observer.

The photographer is an armed version of the solitary walker reconnoitering, stalking, cruising the urban inferno, the voyeuristic stroller who discovers the city as a landscape of voluptuous extremes. Adept of the joys of watching, connoisseur of empathy, the flâneur finds the world ‘picturesque.

Susan Sontag.

Este é um projeto fotográfico de Gustavo Tavares, um amante da fotografia, da luz e das imagens.

Bio:

Primeira máquina: Agfamatic 55C

Máquina atual: Nikon D750 e Iphone 7

Algumas formações de fotografia noturna e de espetáculo

Co-fundador da secção de fotografia da Sociedade recreio Artístico

Exposições:

2009 - 2ª Mostra Fotográfica “Economistas Amantes de Fotografia”, Porto

2015 - Evento Fotográfico "Fora da Caixa", Aveiro

Projetos:

Blog de fotografia - http://kostophoto.blogspot.pt/

La Caméra du Flâneur

LA CAMÉRA DU FLÂNEUR

O termo flâneur vem do francês e tem o significado de "vagabundo", "vadio", " preguiçoso", que por sua vez vem do verbo francês flâner, que significa "para passear".
 
Charles Baudelaire desenvolveu um significado para flâneur de "uma pessoa que anda pela cidade a fim de experimentá-la". Devido à duração da utilização e teorização por Baudelaire e inúmeros pensadores em termos econômicos, culturais, literários e históricos, a idéia do flâneur tem acumulado importante significado como uma referência para compreender fenômenos urbanos e a modernidade. Walter Benjamin descreve o flâneur como um produto da vida moderna e da Revolução Industrial, sem precedentes, um paralelo com o advento do turismo. Benjamin se tornou o seu próprio exemplo, observou o social e estético durante longas caminhadas por Paris.

A percepção do flanêur parece se dar diante daquilo que é transitório na cidade, mas ele não simplesmente lamenta-se a respeito da transitoriedade, ele se alimenta dela, ele formula uma espécie de abrigo no ventre da caótica urbanidade – bem entendido, caótica para os citadinos, não para os gerenciadores políticos da nova ordem social – tecendo uma narrativa dos atrativos da cidade, numa espécie de reconhecimento do apelo erótico das coisas e das pessoas no contexto dos desencontros modernos.

O flanêur atende, inicialmente, a uma necessidade individual burguesa de sobrepor-se à aristocracia e irá tornar-se um instrumento das próprias massas, devido ao protagonismo das mesmas no gênero inaugurado pelo observador da cidade.

in http://caroltsv.blogspot.pt/2009/03/o-que-e-flaneur-o-termo-flaneur-vem-do.html

The photographer is an armed version of the solitary walker reconnoitering, stalking, cruising the urban inferno, the voyeuristic stroller who discovers the city as a landscape of voluptuous extremes. Adept of the joys of watching, connoisseur of empathy, the flâneur finds the world ‘picturesque.

Susan Sontag.

CONTACTO | CONTACT

gustavo.ms.tavares@gmail.com     Tel: +351 936 250 967

  • Instagram Basic Black